NO PRINCÍPIO CRIOU DEUS OS CÉUS E A TERRA E TUDO O QUE NELE HÁ.

Saturday, December 13, 2014

--- "MENSAGEM AVULSA" ------

Texto do leitor Carlos Roberto Martins de Souza
Extraído do site "plox.com.br"

Li há pouco tempo um artigo sobre uma reunião do mundo "gospel" onde empresários do ramo defendiam as suas idéias sobre a conquista do mercado musical. Segundo o artigo, a reunião durou uma hora e meia, mas depois de dez minutos a vontade do autor da matéria era sair correndo, enojado com o que estava ouvindo. Falou-se de tudo em termos de "negócios gospel". Como atingir o mercado, como produzir produtos mais atraentes, como vender o público "gospel" para as empresas seculares, como oferecer vantagens aos pastores para que eles permitissem que os produtos fossem vendidos nas igrejas, como montar shows e espetáculos, e vai por aí afora.
Em momento algum, afirmou ele, ouvi algo sobre: como vamos causar um impacto com o evangelho no Brasil e no mundo; quantos novos missionários vamos sustentar com o lucro do negócio "gospel"; o que vamos fazer para ajudar as igrejas a buscarem um avivamento; como vamos tornar Jesus conhecido. A reunião foi frustrante para aquele cidadão que pensava ser o "gospel" algo mais profundo, alguma coisa que de fato fosse mudar os conceitos de cristianismo neste nosso tempo.
Quando não éramos o mercado "gospel", comprávamos Bíblias para ler e estudar, e não para colecionar. Comprávamos CDs pela profundidade das letras e espiritualidade dos cantores, e não pela fama dos artistas. Abríamos novas igrejas para alcançar os que não conheciam a JESUS, e não por causa de uma nova "visão" que causou divisão. Cada pastor estudava a Bíblia e ouvia o Espírito Santo para pregar a cada semana, e não simplesmente reproduzia a mensagem pronta recebida do seu "bispo ou apóstolo".
No tempo em que não éramos "gospel", pastor ainda era respeitado e podia comprar no crediário. Não tínhamos bancada evangélica na política, que segundo a imprensa, só gera escândalos. Não precisávamos de prêmios para artistas e escritores de sucesso ou para igrejas que se tornaram famosas. Não tínhamos concorrência entre artistas na busca de um troféu de "Disco de Ouro" por vendagem de discos; não tínhamos a proliferação de "Rádios Piratas" usadas para a divulgação do gênero gospel e suas atividades.
No tempo em que não éramos "gospel", o "show" ainda se chamava "louvorzão", não cobrava ingresso e não precisava de camarote vip para os artistas. Não se gastava fortunas para a montagem de palcos para a realização de espetáculos. Não se usava maquiadores, pois nem havia camarins. Não precisava reservar hotel "cinco estrelas" para as estrelas do palco. Não se usava jogo de luz, porque a luz que brilhava era a do verdadeiro louvor. Entrevistas e autógrafos sequer eram mencionados pelos que participavam das atividades relacionadas à vida cristã. Os adoradores não precisavam de seguranças, pois estavam seguros no Mestre, não tinham uma agenda de "shows". Não havia Hip-Hop; Street Dance; Grupos de Teatro; Pagode; Samba; Rap; Funk. Como diz um amigo meu: "e pensar que tudo começou com um jumentinho! Lá em Jerusalém". Conseguimos transformar Jesus em "gospel", "fashion" e "pós-moderno", mas ainda não conseguimos traduzir a Bíblia para todas as línguas em que ela não existe, nem reverter à corrupção neste país, nem causar um impacto transformador na sociedade.
Naquele tempo o objetivo único era a adoração e o testemunho da graça e do amor de Deus. Hoje o jumentinho foi esquecido e em muitos casos foi trocado por uma tal "Eguinha Pocotó". Isto sem nenhum exagero.
Hoje os resultados da indústria "gospel" mostram gráficos cada vez mais animadores para os empresários.
Qualquer um, em qualquer lugar e usando a religião como instrumento de propaganda passou a ser "Cantor Gospel". O mercado da fé ampliou suas fronteiras sem observar o principio basilar do cristianismo que é a ética cristã.
O que se vê hoje é a lei do vale tudo em nome de Deus, mesmo que para isto o nome Dele seja explorado no comércio da fé.
No entanto, no tempo em que não éramos "gospel", os resultados para o Reino eram mais consistentes.
Nesta era "gospel" nos orgulhamos de ter milhares de igrejas e milhões de crentes, mas não nos envergonhamos da "corrupção gospel".
No passado éramos adoradores, hoje somos consumidores de todo o tipo do que se intitula música no meio evangélico. Levamos para dentro de nossas igrejas qualquer coisa que faça o povão entrar em transe e se soltar nas nossas reuniões.
A inspiração Divina, pouco importa, o que manda é não deixar o espetáculo parar.

Orgulhamo-nos por alcançar os mais longínquos lugares e de estarmos no rádio e na TV, mas não nos envergonhamos por termos diminuído o número de missionários no Brasil e no mundo.
Orgulhamo-nos de sermos governantes nos mais diversos níveis da política ou de estarmos mais próximos aos dirigentes de nossa nação para orar com eles, mas não nos envergonhamos de que um avivamento ainda não aconteceu em nossa pátria por falta de oração e quebrantamento da nossa parte.
Alguém pode dizer que tudo isto é saudosismo.
Éramos cristãos, hoje somos meros freqüentadores de casas de espetáculos onde quem determina o roteiro e as regras do show é o mundo com as mais absurdas ofertas de sucesso.
Aliás, o sucesso é a cachaça que embriaga os que freqüentam o mundo gospel onde não falta orgulho, vaidade, exibicionismo como conseqüências da ingestão da tal bebida.

Eu me considero um futurista, sem qualquer dificuldade para quebrar os tradicionalismos do passado.
No entanto, eu penso e analiso gerações.
E quando faço isto e tiro conclusões, eu vejo que a igreja evangélica brasileira se tornou grande e obesa como um elefante, mas sem agilidade para provocar transformações. Os transatlânticos estão ancorados em todas as esquinas com espetáculos que enchem os olhos, mas não o coração e a alma.
Aliás, nem dentro de suas paredes ela consegue provocar mudanças.
Assim, mudam-se sim a roupa, a moda, os ritmos, a forma de culto, os aparatos, mas vidas não.
Ela corre o risco de girar em torno de si mesma com grande possibilidade de perder de vez o equilíbrio espiritual que já anda cambaleando.
Muitas estão embriagadas como disse acima pela aguardente derivada do sucesso e produzidas nos campos agrícolas do inferno.
Enquanto esta igreja moderna e cheia de vícios mundanos não acordar para um quebrantamento do Espírito, vamos nos encantar com nosso gigantismo, mas não seremos efetivos em nosso impacto, mal conseguiremos amedrontar o inimigo.
Enquanto não voltarmos às raízes do cristianismo abandonando práticas impostas pelo inimigo nos veremos perdidos no oceano das incertezas e de um evangelho de formas, mas sem qualquer conteúdo.
Eu prefiro não ser "gospel" no sentido em que esta palavra é usada hoje, mas sou de JESUS, creio num avivamento da igreja brasileira e sonho com o dia em que o Brasil será usado por Deus para um impacto missionário global.
Sonho com vidas transformadas para o mundo e não com vidas conformadas com este mundo; sonho com igrejas impactantes e não com grupos religiosos sendo subservientes ao senhor das trevas, Satanás. 

                 Extraído do site "plox.com.br", 

           TUDO PARA HONRA E GLÓRIA DE NOSSO DEUS
      LEIA A BÍBLIA E TIRE SUAS DÚVIDAS

No comments: