NO PRINCÍPIO CRIOU DEUS OS CÉUS E A TERRA E TUDO O QUE NELE HÁ.

Monday, December 15, 2014

O PREÇO DA GANÂNCIA -- CAPÍTULO -- 06

Capítulo -- 06

Coronel - Eu acho que consegui acertar uns três, ali naquela moita vi movimento e atirei pelo menos um deve estar caído ali, vamos até lá.
(chegando lá, constataram muito sangue e mais a frente tinha um cachorro morto, só que o Coronel sabia muito bem em quem estava atirando.)
(Mas todos viram o empenho dele em acertar os bandidos, pelo menos foi o que ele deixou transparecer)

Empregado da casa - Eu quase derrubei um, ou alias, garanto que ele saiu machucado, tenho certeza que o acertei, amanhã de manhã vamos seguir as pegadas de sangue, quem sabe agente consegue botar as mãos nestes malditos.

*E o coronel sempre presente, pra não levantar suspeita, o dia amanheceu e eles foram seguindo o rasto de sangue até chegar a um riacho.
Onde se lavaram e socorreram o ferido, tendo o cuidado para não deixar mais rastos que pudessem incriminá-los e cada um sai em direção diferente para despistar a busca.*

Coronel - Senhor Zeca, será que não seria incomodo para o senhor me emprestar um cavalo, logo que chegar lá eu mando um de meus empregados, trazê-lo de volta.

Senhor Zeca - Sim perfeitamente, eu agradeço muito a sua boa vontade em ajudar a capturar os bandidos, mas em fim o que adianta isto agora. (e ordena que seu empregado a pegar o cavalo para o Coronel, que teve pressa em sair dali)
Agora que já é dia, vamos ver o que sobrou pelo que estou vendo não sobrou nada.
Pois se sobrou alguma coisa está misturada nas cinzas, eu não sei o que será de mim agora!... Toda nossa economia o fogo levou.

D.Gertrude – Ô izé, num fica assim não, mais tem Deus, pra dá do que o diabo pra tumá, nóis arruma outro jeito pra pagá essa mardita conta.

Zeca - Mas, que jeito? Agora não tenho como manter o Zequinha na capital, vai ser a primeira coisa que tenho que fazer, é ir à cidade bem cedo e telegrafar pra ele vir embora, e não gastar nem um centavo atoa.
Pois não vou ter dinheiro nem pra pagar a passagem de trem pra ele chegar até aqui, (melancólico) tão cedo vou poder mandá-lo de volta pros estudos, é triste, mas, temos que conformar com a situação.
(Não sabia ele que Zequinha já não precisava mais do dinheiro dele há muito tempo, mas, nunca contou pra eles como vivia e nem o que fazia, por medida de segurança, e depositava todo dinheiro que seu pai lhe mandava, pois sabia que um dia iria precisar dele para alguma emergência)...

 Mediante o que aconteceu, o senhor Zeca, caiu em uma profunda depressão e só queria ficar pelos cantos sem conversar com ninguém e sem fazer nada e nem se alimentava direito, era uma tristeza que dava pena.
Os dias passaram, e Zequinha chega da capital, o dinheiro que trouxe, mal deu pra comprar a passagem e comer um lanche barato. (é o que ele alegou pra sua mãe, pois não podia dar bandeira, e teria que se passar por pobre)
Mas, em fim chega em casa, todos correm a abraçá-lo.

D.Gertrude - Cuma ele ta tão buniiiito sô!... Nem parece que é nosso fio, Zeca venha abraçá nosso fio, ocê num tava cum sardade dele?

Senhor Zeca tão desanimado que mal levanta a cabeça, e dá um sorriso sem graça pelos cantos dos lábios e torna-se para o seu canto.

Zequinha - O que está acontecendo com ele mãe, porque ele está assim?

D.Gertrude - Desde aquele dia, que mandou que ocê vinhesse, ele tá assim, dá inté pena!...

Zequinha - Mas, afinal o que aconteceu? (Bem que ele sabia de tudo o que estava acontecendo, só não podia falar nada pra não atrapalhar nas investigações, e com isto deixavam todos em suspense)

D.Gertrude - É que chegou uns home aqui no arraiá, dizendo que é arturidade, e levaram o Izé pra delegacia, e adispois disto, que esses home vieram aqui, nóis nunca mais tivemo páis.

Zequinha - Vou descansar um pouco tomar um bom banho, depois eu vou até ao povoado, pra mim saber direitinho o que está acontecendo.

D.Gertrude - Deixe isto pra aminhã, eu num quero vê ocê se metendo com este pessoá, eles são muito mal encarados, e num sai nada que preste da boca destes infilizes, que mais parece bandido do que sordado.

Zequinha - Está bem mãe, depois agente conversa. (sai)


Zequinha fica um bom tempo descansando, e pensando em que atitude tomar.

                                                          ------- EJO ------- Continua




No comments: